A Egrégora

Egrégora - Alquimia Operativa

Já aconteceu com você de sentir-se particularmente feliz em um lugar qualquer, particularmente à vontade, sem razão aparente? Ou após uma reconfortante reunião ou encontro com amigos, você saiu satisfeito, sentindo-se em união perfeita com todos?

Por outro lado, aconteceu com você de sentir-se oprimido ao entrar em determinado recinto?

Esses estados de espírito podem vir de nossa percepção da egrégora do lugar.

O que é uma Egrégora?

Ao se reunirem, os seres formam, pela união de sua vontade, um ser coletivo novo chamado Egrégora.

Egrégora, reunião de entidades terrestre e supra terrestres constituindo uma unidade hierarquizada, movidas por uma ideia-força.

Esta palavra poderia originar-se no grego “egregoren”, que significa “velar”. No Livro de Enoch está escrito que os anjos que tinham jurado velar sobre o Monte Hermon teriam se apaixonado pelas filhas dos homens, ligando-se “por mútuas execrações”.

Papus, em seu Tratado Elementar de Ciência Oculta introduz uma nova noção: As egrégoras são “imagens astrais geradas por uma coletividade”.

Em A Via Iniciática, Serge Marcotoume constata que a energia nervosa se manifesta por raios no plano astral:

O astral está cheio de miríades de centelhas, flechas de cores das ideias-força. Sabemos que cada pensamento, cada intenção a que se mistura um elemento passional de desejo, se transmite em ideia-movimento dinâmica, completamente separada do ser que a forma e a envia, mas seguindo sempre a direção dada. As ideias-força são os elementos mais elementares do plano astral; elas seguem sua curva traçada pelo desejo do remetente.

É por isso que precisamos controlar nossos desejos a fim de que eles não pesem sobre nós, acorrentando-nos, imprimindo à nossa aura cores diferentes. A meditação e a prece do iniciado regeneram-no, permitindo-lhe emitir ideias sadias e tranquilizantes. No astral, os “spiritus directores”, os espíritos-guias, canalizam as ideias-força para zonas determinadas.

Em A Chave da Magia Negra, Stanislas de Guaita analisa a história da Convenção, desmascarando as entidades homicidas coletivas e os atos sanguinolentos delas decorrentes. De fato, no mundo astral as coisas semelhantes aglutinam-se para criar um coletivo, graças às suas vibrações idênticas. A egrégora, ser astral, possui seu centro e seu eixo nesse plano e busca um ponto de apoio terrestre para assegurar-se das formas estáveis.

O iniciado aproxima-se assim dos seres superiores e elevados. No astral nascem os germes das grandes associações, das grandes amizades, das proteções. Em constante modificação, em evolução, as formas das egrégoras são, na maior parte do tempo, efêmeras. As egrégoras não possuem ponto de apoio. Elas podem obstruir nosso caminho ou ser utilizadas por um operador.

Marcotoune escreve:

As egrégoras que podemos considerar como prontas formam uma classe à parte. São as egrégoras da cadeia iniciática ou das grandes religiões. Elas servem à obra sacrificial de expiação do Filho de Deus para salvar a humanidade. São dirigidas diretamente pelos seres reintegrados e pela vontade divina. Situadas no cume do plano astral, perdem-se na fusão com os planos espiritual e divino.

Elas realizam o destino cósmico de todo o universo.

Os Antigos…

Basta que o mundo invisível seja um poderoso auxiliar para os seres humanos, para convencê-los a ler os textos antigos. Se os homens criaram mitos, foi porque se viram confrontados com forças imensas, incompreensíveis, dissimuladas nas profundezas ocultas da Natureza. Sabiam que cotidianamente eram travados combates na terra e no céu. Zeus luta contra os Titãs; Rama combate os demônios gigantescos do Ramayana; Krishna ajuda o guerreiro Ariuna em seus combates com a Vida, os exércitos vindos do invisível são confrontados com os do manifesto. No Regulamento da Guerra dos essênios, vê-se o mundo angélico inteiro empenhado na batalha terrestre. Na China, o Culto dos Ancestrais estabelecia um equilíbrio entre a Terra e o Céu dos Ancestrais por meio da Egrégora familiar astral.

Papus cita Ovídio no Tratado Elementar de Ciência Oculta:

Quatro coisas devem ser consideradas no homem: os manes, a carne, o espírito e a sombra. Essas quatro coisas são colocadas cada uma em seu lugar: a terra cobre a carne, a sombra flutua em redor da tumba, os manes estão no inferno e o espírito voa para o céu.

Os egípcios pensavam que não só o ser humano possui um duplo (Kha), mas também todos os animais e todas as coisas em que a vida se faz sentir: as cidades, as províncias, as nações.

E Nós…

Estamos convencidos que a Natureza é um templo onde viventes pilares deixam às vezes escapar confusas palavras. O homem nela passa através de florestas de símbolos que o observam com olhares familiares…

Somos convidados com insistência a decifrar o que está oculto (ocultismo), a descobrir o que está fora das coisas (esoterismo), a aprofundar o que nos espanta porque, diz Aristóteles, “do espanto vem a Sabedoria”.

A noção de Egrégora libera dos grilhões religiosos. Na verdade somente o Amor ao Bem e à Verdade, somente nossa ação e nosso Coração nos conduzirão à família espiritual que nos corresponde, segundo a densidade de nosso espírito.

Como Swedenborg, viajaremos em grupos unidos, sendo ensinados pelos diversos grupos de anjos que formam sociedades à parte, elas próprias reagrupadas em um grande corpo porque, diz ele, “o céu é um grande homem”. Paulo, na Epístola aos Romanos (12) e em 1 Coríntios 12, escreve: “Formamos um único corpo com o Messias”… “Sim, o corpo, que são numerosos, formam um único corpo”. Tal é a comunhão dos Santos (O termo “santo” aqui refere-se à todos os cristãos).

Jesus dissera: “Onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, estarei entre eles”.

No Apocalipse, João faz os Anjos responsáveis pelas Nações intervirem, porque somos responsáveis pelos erros coletivos cometidos. Ninguém pode lavar as mãos, como fez Pilatos: guerras, fomes, massacres diminuem nossa liberdade, porque participamos da egrégora da terra; da mesma forma que os genes de nossa hereditariedade marcam a história de nosso corpo. Segundo a Bíblia, cidades inteiras foram punidas por causa de sua egrégora envenenada. Phaneg escreveu:

Todo coletivo constitui, na verdade, uma família no espiritual e tem seu chefe. É a este chefe que o Espírito fala…

Compreende-se, nessa ordem de ideias, que jamais se deve responder ao ódio com o ódio, porque então as duas egrégoras selariam uma aliança estreita para nossa maior danação. Devemos estar convencidos que nenhuma de nossas aspirações para o Bem se perde e que nossa vida deve produzir Ideias – força poderosas. É o segredo da prece dos “fracos”. Se utilizamos ritos é porque eles constituem um apelo às forças elevadas. Se realizamos uma Cadeia de União, é para ligar o visível ao invisível em um campo magnético fechado onde as forças perpendiculares se projetarão. Ela é ao mesmo tempo criadora e receptora; escudo protetor e receptor de influências astrais e espirituais. As egrégoras são dinamizações das auras em um objetivo preciso.

Compartilhe seu comentário abaixo, sobre o que achou deste tema. E se você ainda não é um Assinante do nosso blog, cadastre seu email para ser o primeiro a saber quando publicarmos outros artigos e poder baixar nossos ebooks gratuitos.

ESOTERISMO, MISTICISMO E OCULTISMO

Junte-se a milhares de sinceros buscadores e receba, GRATUITAMENTE, notificações, artigos e dicas imperdíveis para a sua Jornada!>

23 Comentários


  1. Caro Kohen, muito obrigado por esse momento de carinho e sabedoria.

    Desejo por muitas bençãos a voce.

    TFA

    Lino

    Responder

  2. Muito esclarecedor esse tema. Eu não tinha clareza sobre esse conceito.
    Gratidão.

    E é vital ter encontros periódicos com nosso grupo para nos fortalecermos e e trabalhar a nossa ascensão, não é?

    Fraternal Abraço.

    Responder

  3. Encontro aqui sempre palavras que inspiram a continuidade e a perseverança na travessia da senda.

    Muito obrigado Irmãos da Alquimia operativa.

    Responder

  4. Olá,
    Primeiro eu gostaria de parabenizar pelo ótimo texto. Eu sou um curioso que procura coisas na internet, e acabei chegando aqui.
    Esse tema sempre me causou muitas dúvidas, mas tenho certeza que está mais claro em minha mente agora. Obrigado.
    E, eu queria perguntar uma coisa também. Pessoas muito “energicas”, possuem egregora propria ? De suas obsessões ? Ou seria a obsessão a egregora ?

    Responder

  5. Achei muito bom o artigo!
    Realmente muito esclarecedor. Dando base para nossa prática para o ritual da Egrégora. Percebe-se que cada vez mais, nosso mundo precisa que estas famílias espirituais se fortaleçam no Amor para resistir ao mal que se faz tão presente.
    Muito obrigado.

    Responder

  6. Excelente artigo sobre o conceito de Egrégora ! Em minha Ordem Mística e Esotérica, nós relembramos nossos Ancestrais , por meio de duas sessões anuais., que acontecerá agora no mês de julho. É uma sessão com vibrações muito fortes e que nos traz um sentimento de paz e equilíbrio.

    Responder

  7. Outra definição usada pela R. C. é “reunião de mentes afins”.Os irmãos que compreenderem, irão praticar pensamentos e palavras sempre com finalidade positivas .
    Muito obrigado muitas paz e harmonia.

    Responder

  8. Estimado Ir:: Kohen::
    Agradeço o partilhamento do artigo Egrégora, Excelente !!!
    O presente documento veio a reforçar e complementar o
    tema contido às págs.: 35 a 38 do Lv. 1 do G. 1

    Que a sacrossanta PAZ e Entendimento estejam conosco.
    Abraços fraternais
    Ir:: Zenhas:: 160715 3:55PM

    Responder

  9. Agora entendo o que sinto, me abriu algumas portas esta informação. Muito grato.

    Responder

  10. Reforçou de forma clara e sucinta o conhecimento que eu já possuía sobre o tema. Mostra como o G.A.D.U. se manifesta em nossas vidas independente da senda espiritual em que nos encontramos;
    quando li no texto acima a parte ” Somos convidados com insistência a decifrar o que está oculto…”
    e no parágrafo seguinte: “A noção de Egrégora libera os grilhões religiosos.” Qual não foi a minha surpresa ao constatar que com quase as mesmas palavras li hoje no livro “Umbanda: Uma visão esotérica”; o qual grato fiquei ao G.A.D.U. por mostrar-me que estou no caminho certo. Não existem coincidências, somente confirmações aos que tem olhos para ver e ouvidos para ouvir.
    Grande abraço.
    Êlder.

    Responder

  11. Prezado irmão kohem, tenho lido seus textos a algum tempo e a cada leitura tenho uma sensação especial de estar lendo algo escrito com amor e responsabilidade com o que diz, não tinha feito um agradecimento escrito, apenas enviava do fundo do meu coração saudações e gratidão, hoje decidi escrever esse agradecimento, e desejar que esse belo trabalho continue a iluminar a todos nós. Grato, e um abraço fraternal. Magno

    Responder

  12. Muito interessante e esclarecedora a reportagem sobre Egrégora. Na verdade é um assunto que não
    se esgota nunca porque sempre atual. O mais importante é a união de nossos pensamentos com o
    mundo astral superior ou inferior, de acordo com o que emitimos tanto para um como para outro.
    Neste sentido, as experiências pessoais de cada pessoa, da mais humilde até a mais intelectualizada,
    não foge a regra de que todos somos participantes de uma união maior que nos identifica, nos une,
    nos constrói e nos” pune “também, na medida certa.Basta nos lembrarmos da egrégora formada pe-
    los nazistas na segunda guerra mundial e que acabou por levar ou hipnotizar uma nação do porte
    da Alemanha, à comunhão com os ideais de um homem como Hitler.É o exemplo mais factível de seu poder e sua real ação no mundo. Abraço fraterno.

    Responder

  13. As ideias e pensamentos aqui expostos estão iluminando pontos escuros que me perturbavam e, por isso, estou satisfeito prevendo mais um caminho ao Reino da Luz. Feliz por ter encontrado este caminho e gora é trabalhar nele. obrigado!

    Responder

  14. Bom dia. Dei uma lida rápida. Depois com mais calma vou reler para apreende melhor.
    Gosto de fazer assim: leio e releio. Mania,talvez.
    Muito bom, explicativo, forma simples de passar o texto.
    Sempre quis conhecer mais sobre Alquimia e agora estou tendo a oportunidade.
    O tema “Egrégora” está excelente. Vem complementar o que entendo sobre isso.
    Energia é tudo. Tão simples e tão complexo.
    Obrigada.
    Cristina

    Responder

  15. Caro Irmão Kohen,

    Gratidão pelo texto esclarecedor sobre egrégora. A simplicidade e a profundidade do mesmo podem ser sentidas completamente, e se mostram como restauradoras e alentadoras palavras que consolidam a nossa perseverança na jornada de luz, vida e amor. Paz profunda!

    Responder

  16. Texto muito esclarecedor .tenho pouco jeito com palavras .De fato agradeço a luz .muita paz obrigada

    Responder

  17. Sendo assim uma religião inteira pode ser contaminada por membros mau intencionados?
    Dali surgindo tantos escândalos que vem cada vez se tornando mais comuns?
    Deixando cada vez mais desacreditado a existência do altíssimo

    Responder

  18. Boa tarde, gostei do o assunto sobre a Egrégora,é realmente muito profunda do mesmo poder,de ser sentida
    completamente, é se mostram como restauradoras,são palavras que consolidam a nossa jornada de
    Vida,Luz, é Amor; Paz Profunda…

    Responder

  19. Belíssimo artigo. Muito esclarecedor do papel fundamental que temos com relação aos nossos sentimentos e pensamentos, o que produzimos no nosso interior e enviamos ao mundo. É um chamado a nossa responsabilidade para conosco e para com o Universo.

    Responder

Deixe uma resposta para Ir. Thomas Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *