9 Conceitos alquímicos que você precisa saber

Estava procurando algumas anotações antes de iniciar uma operação no laboratório quando acabei encontrando algumas anotações antigas contendo conceitos alquímicos e outros comentários.

Após a releitura, surgiu este artigo, dedicado à elucidação de alguns conceitos chave para quem está iniciando na Alquimia. Espero que seja para você.

Trata-se de um texto simples, mas que sugere profundas reflexões. Antes de empreender qualquer iniciativa, o buscador deve obter o devido esclarecimento sobre estes conceitos.

Conceitos alquímicos chave

Alquimista: É todo aquele que realiza/pratica a busca da Grande Obra pelos procedimentos canônicos ou pessoais, mas tendo sempre em consideração que a Alquimia segue no todo a Natureza.

Adepto: É o alquimista que chegou ao final da Obra, com todas as suas conseqüências.

Amante da Arte: Estudioso e investigador da Alquimia, respeitoso e seguidor dos seus princípios, mas não empreendeu o Caminho da Grande Obra (um teórico).

Sagrada Arte: Outro termo para designar a Alquimia.

Soprador: Realiza operações “alquímicas” seguindo os textos ao pé da letra e busca obter a transmutação metálica ou a Medicina Universal, com o único objetivo de lucrar. Também entram nesta definição aqueles que o fazem com desinteresse e com espírito filantrópico, mas sem entender o verdadeiro objetivo da Alquimia.

Espagirista: Artista que pratica Espagíria. A Espagíria (denominada por alguns de Alquimia Vegetal) é uma bela ciência cujas operações guardam similitude com algumas das vias alquímicas. Utilizada para extrair dos vegetais seus princípios vitais e ativos inalterados, é uma extraordinária fonte de medicinas eficazes e naturais, cuja bondade não deixamos de exaltar.

Muitos estudantes de Alquimia iniciam sua atividade na Espagiria para adquirir prática laboratorial e familiarizar-se com os processos.

Tipos de Alquimista

Basicamente, dividimos os alquimistas em dois grandes grupos:

1. Alquimista Especulativo

Busca apenas o conhecimento. Seu único objetivo é o acúmulo de informações e a interpretação da iconografia (similar ao Amante da Arte).

2. Alquimista Operativo

Aquele que pratica, opera. Subdividimos em dois tipos:

Espiritual ou Sacerdotal – Tem como foco a transmutação do metal inferior das paixões no Ouro do espírito. Utiliza o simbolismo e  os conceitos alquímicos como fundamento para o refinamento moral e espiritual. Esforça-se para vivenciar todos os conceitos que aprende.

Laboratorial – O alquimista que dedica-se à Alquimia praticada no Laboratório, à Grande Obra. Não se realiza, em seu aspecto sagrado, sem a alquimia espiritual.

Adeptado Alquímico não é um bem democrático acessível a todos.

Poucos Adeptos surgiram ao longo dos séculos. Mas, sabemos, não houve nenhuma época em que não se tenha formado um Adepto.

Mas a luta contra “os quatro cavaleiros do Apocalipse” é um trabalho coletivo de toda a Humanidade, onde não se permitem atalhos nem panaceias. Como ser humano com um altíssimo grau de evolução, o Adepto (enquanto está aqui…) ajudará o seu próximo em suas necessidades, mas nunca colocar diretamente em suas mãos os resultados da Obra.

Todo ser humano tem a obrigação de elevar seu nível espiritual até alcançar o nível de transcendência, ainda que isso leve um grande número de vidas. Poucos são os que têm o nível espiritual para sentir a vibração da Alquimia, menos ainda os que logram penetrar na profundidade dos Arcanos em sua total transparência e ainda muito menos aqueles que alcançam o umbral da Porta.

Não exigiremos que ninguém creia no que afirmamos, já que é algo indemonstrável. Nem tampouco explicaremos como estas coisas chegaram ao nosso conhecimento. Os aconselhamos a libertar vosso espírito de todo condicionamento, pôr a mente receptiva e sentir se o que dizemos faz sentido para você.

Então, agir em conformidade…

Gostou do artigo? Cadastre seu email abaixo e seja notificado quando publicarmos outros.

ALQUIMIA & ESPAGIRIA

Receba GRATUITAMENTE mais conteúdos sobre ALQUIMIA & ESPAGIRIA no seu eMail!>

7 Comentários


  1. Que legal! E em que categoria se encaixam os “curiosos” e “simpatizantes” que estudam a alquimia teórica com o intuito de interpretar textos literários, letras de música?

    Responder

    1. Olá Simone! Considerando que a alquimia é uma arte e se expressa por meio da arte, que os seus símbolos e alegorias são compreendidos pelo entendimento da literatura da época, análise de mitos e alegorias, nas quais grande parte das imagens alquímicas têm sua origem, enquadraria na categoria de “criptógrafa da arte”.

      Responder

  2. Penso que, no pouco que conheço este plano, a alquimia da construção da alma é uma odisseia, tornar o Ego de Senhor a Escravo e restabelecer as ordens do nosso eu verdadeiro… porém a “alma” já está pronta… basta Silênciar… SER do mundo mas, não pertencer a ele… Livres, mas de bons costumes…

    Responder

  3. Parabéns pelo site,posso dizer com prazer que é uma daquelas tropeçadas enriquecedoras que encontramos ao longo do caminho.

    Responder

Deixe uma resposta para Flávio Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *