Simbolismo do Coração

Heart

O sangue vermelho e quente do homem e dos animais superiores evoca fatalmente no espírito a ideia do coração que o propaga, mediante impulsos intermitentes, por todo o corpo. A ideia de vida está ligada à ideia de sangue, e não menos à ideia de coração. O coração é o próprio indicador da vida, pois é pelos seus batimentos que se constata a existência dela. A vida não implica necessariamente na presença de um coração. Os vegetais não têm coração. Nem os animais muito inferiores.

Mas a vida, muito hierarquizada, isto é, muito individualizada, não poderia passar sem ele. O coração é o músculo por excelência. Ele está, por assim dizer, no máximo do vermelho. Mesmo no sono, ele continua a bater (ainda que suas pulsações diminuam). Ele simboliza a vida ou, mais exatamente, o ardor, o calor da vida, a paixão, a própria embriaguez. A cabeça é a sede da Sabedoria e foi do cérebro de Júpiter que Minerva saiu inteiramente armada. Mas o coração é a sede do Amor, que não nos vem da cabeça, mesmo quando sua qualidade a torna a flor suprema das manifestações humanas (Caridade, Amor divino).

Seria necessário distinguir entre o coração, órgão que temos em nosso peito, e o coração metafórico do qual nos fala Pascal e no qual pensam as pessoas quando empregam expressões como “ter coração”, “ter bom coração”, etc.? Muitos se espantarão com o fato de nós colocarmos esta questão, na medida em que lhes parece evidente que esse coração não passa de uma simples imagem, sem qualquer relação com o músculo cardíaco. Sua opinião, entretanto, não é a de Claude Bernard que julgava que as expressões populares exprimissem, quase sempre, uma profunda realidade. O coração, evidentemente, não gera os sentimentos, do mesmo modo que o cérebro não gera o pensamento. Mas, o coração depende estreitamente do sistema vago-simpático e é como o ponto em que os sentimentos repercutem e se amplificam.

Coração, Cór-agem, heroísmo (compare as palavras HEROS e ÉROS, o Amor) – essas ideias de elevação, de esforço fora de si, fazem do coração o próprio instrumento do Amor. É o órgão vermelho, o movimento, o calor e a chama traduzidos em movimento. Ele se parece com a chama invertida de uma tocha. Como a chama, que consome a vela, ele consome o nosso corpo, mantém a vida, mas a queima ao mesmo tempo. Ele é para o nosso organismo o que o Sol é para o sistema ao qual pertence o nosso planeta.

Tal é o simbolismo do coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *