As 12 Portas da Alquimia – George Ripley

George Ripley (1415-1490) foi um alquimista inglês do século XV. Estudou durante 20 anos na Itália. Tornou-se amigo do Papa Inocêncio VIII. Regressou à Inglaterra no ano de 1477 e escreveu sua famosa obra The Compound of Alchymy (o Compêndio do Alquimista) ou melhor, The Twelve Gates leading to the Discovery of the Philosopher’s Stone (As Doze Portas que Conduzem ao Descobrimento da Pedra Filosofal).

A obra foi dedicada ao Rei Eduardo IV e altamente apreciada pelo monarca.

Se você, querido(a) leitor(a), dispõe de uma tradução mais fiel ao texto original, bem como imagens com definição mais elevada às apresentadas, por gentileza, entre em contato para que possamos atualizar o artigo.

I

Calcinação

“Que a esposa pudica seja unida a seu esposo. A coroa do rei, feita de um metal dourado. Livra a continuação do rei a fome de um lobo vivaz. Faz isso três vezes e consome o lobo por um fogo muito violento. O rei sairá com isso puro de mancha e de seu próprio sangue te poderá renovar”.

II

Solução (ou dissolução)

“Deixada as suas vestiduras, que o Sol com Diana. Sejam tiradas suas roupas um e o outro, para o himeneo desejado, que dois lutadores se faça o precioso banho da esposa, para que ela lave nele seu corpo em atenção ao esposo os combatentes combaterem, e quando seu ardor marcial tenha cessado, terão um belo troféu de sua luta”.

III

Separação

“Proveniente da rocha, que o dragão gelado seja unido à águia: Um queimará suas penas, o outro fundirá suas neves. Preserva bem teu enxofre com o sal celeste para que o galo devore à raposa maliciosa. O pássaro afogado na onda retomará vida ao fogo, e por sua vez morrerá sob os dentes da raposa”.

IV

Conjunção

“Toda carne aqui abaixo, provém da terra, em pouco tempo retornará às cinzas; O sal sairá dali, por meio da qual reaparecerá ao dia a carne assim dissolvida, tu que desta maneira queres ver as formas passadas, entrega ao sal ao mesmo tempo o enxofre e o mercúrio”.

V

Putrefação

“A terra por ela mesma não produz nada. É o espírito quem abastece e sustenta a vida. Toma sua origem dos astros luminosos. Dali todos os metais extraem suas qualidades. A pedra Hercúlea se une com amor ao ferro. Assim, nosso leão ama a nosso mercúrio”.

VI

Congelação

“Fêmea e macho unidos fazem germinar a semente. Que então Netuno prepare os banhos requeridos depois de que o macho duplo devore um nevoso cisne com a finalidade de que os dois percam e recobrem sua vida, quatro ventos soprarão e o rei, pelo fogo, se unirá cheio de amor, a sua esposa querida”.

VII

Cibação

“Primavera, verão, outono, água, sal dos Sábios. Compõem nosso caos ao esquentar ao sol. Se contudo, dos astros, não tens colocado pesos justos, nenhuma propícia brisa cumprirá teus desejos. Do firme selo de Hermes, fecha o vidro, por temor a que tua matéria não seja presa do errante vento”.

VIII

Sublimação

“Para se apodrecer as sementes à terra se confiam. Nossos corpos são colocados no túmulo, mas para sair de novo. Assim, todos os elementos se encontram em cada um, se tu podes, como convéns, de um extrair os outros. É isto o fim da obra, a meta de todos os trabalhos; Se o tens ajustado bem, obterás disso a chave”.

 IX

Fermentação

“Faz que de um triplo coração cresçam três serpentes vivas. Depois, tranca-as juntas no recipiente de cristal. Vênus faz admirar a graciosa cola do pavão, e alegra teus olhos com um cisne branco como a neve. Favorito de Saturno, um corvo preto seguirá, e depois da asa da águia apresentará suas plumas”.

X

Exaltação

“A lua ajuda a Hiperião com seus raios. Mercúrio sofre o dano, e ele perecerá se no lhe dá prontamente seu Jamsuf. Você, que compreende este verso, agradece a Jehovah. De que um tal entendimento seja outorgado aos mortais”.

XI

Multiplicação

“Como Orfeu a Eurídice, o irmão desposará à irmã, e de seus corpos se verterá o sangue. Junta-a ao humor cálido do pai e da mãe, depois fecha com cuidado o globo dos Adeptos. Então o fero leão de prolífico corpo, contemplará, feliz, sua numerosa prole”.

XII

Projeção

“Se o leão generoso devora a serpente, Mercúrio te dará flores a milhares. A pedra sem fermento não pode produzir ouro, mas tingirá muito unida a ele por ingresso. Por ela verás tudo o que está oculto. E Deus será propício para satisfazer teus desejos”.

Baixe o PDF deste artigo: Baixe aqui

4 Comentários


  1. Eh bem cheio de alegorias e metaforas…..complexo e cheio de caminhos…..exije um bom estudo e muita reflexao,alem de pratica e aplicação….obrigada por disponibilizar esse material raro!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *