SOLVE – O significado das primeiras operações na espagiria alquímica

O trabalho prático na espagiria alquímica (no reino vegetal) inicia-se com a determinação da planta.

Salientamos que se trata de uma colaboração entre dois seres e que um intercâmbio será estabelecido.

No âmbito da alquimia, a planta deve ser tratada como um ser inteligente e com o máximo respeito. Por isso, devemos pedir sua permissão antes de iniciar o trabalho. Pela mesma lógica que não devemos forçar uma pessoa a efetuar um trabalho em comum que não escolheu fazer e que não tenha nenhum interesse…

Do contrário, seu elixir poderá não apresentar os resultados esperados. Se é que conseguirá terminá-lo.

Inicia-se pela morte


Por mais estranho que pareça, o início do trabalho na espagiria alquímica começa pela “morte”. Também é verdade para todos os reinos e pode parecer inconcebível que possa ajudar um ser matando-o.

Para renascer devemos, primeiramente, morrer. Neste caso, o alquimista torna-se um sacrificador.

O sacrifício iniciático provoca uma renúncia: Devemos fazer o vegetal evoluir de um estado existencial “impuro” para outro que seja melhor. Isto só é possível de se fazer passando pela porta da morte.

O operador sensível sabe que não é somente a planta que irá passar por esta porta.

Já que o trabalho do laboratório tem profundas repercussões sobre o alquimista, este último também deverá aceitar viver um duelo em contato com as qualidades da planta com a qual trabalha.

Por exemplo, a flor de lis (símbolo de poder, soberania, honra, lealdade, pureza de corpo e alma), que rege as relações entre casais, em diversos níveis, irá aflorar verdades, esclarecimentos ou desilusões na vida sentimental do alquimista.

Se ele mantém uma relação amorosa nefasta ou mentirosa, a energia da Lis irá cooperar para restabelecer o equilíbrio.

Este gênero de acontecimentos é frequentemente vivido como uma morte porque livra-se de velhos comportamentos obsoletos do passado.

Separa-se as partes


Em um jogo de quebra-cabeça, a primeira coisa que fazemos é separar o amontoado de peças em grupos. Escolhemos e colocamos juntas as cores dominantes.

De forma semelhante, é o que faz a natureza quando um corpo morto é decomposto.

Assistimos a desarticulação das partes constituintes de seu metabolismo, tal como os fluidos, os gases e as partes mais sólidas.

Um corpo em decomposição se transforma, aparentemente, de modo incoerente enquanto este segue a ordem dos elementos da natureza.

Os alquimistas denominaram este fenômeno de caos.

Podemos, com efeito, alcançar uma nova ordem das coisas passando por um nível de desordem. De onde surgiu a expressão: o caos precede a ordem.

Solve


Os alquimistas denominaram a sua primeira operação (na verdade, é um grupo de operações) como solve. É uma palavra latina que significa separar, dissolver.

Os constituintes da planta serão separados e purificados isoladamente: extração dos óleos essenciais, fermentação, destilação e purificação do espírito (álcool), incineração, calcinação, obtenção e purificação do sal da planta.

Os Três Princípios


Esta separação dos elementos vegetais é comparável a uma dissolução que se produz no momento de uma putrefação.

Observando o resultado desta experiência, os alquimistas determinaram que três elementos principais ou princípios filosóficos coexistem em todos os corpos. Cada princípio filosófico recebeu o nome de Enxofre, Mercúrio e Sal.

Para conhecer mais sobre cada princípio filosófico, acesse nosso outro artigo, especificamente sobre este tema.

A fase solve é uma separação que envolve muito mais que os elementos químicos da matéria.

Ela corresponde, sobretudo, à separação global do ser vegetal. De modo semelhante a um ser humano que falece, a planta que morre libera seu corpo, sua alma e seu espírito.

Na alquimia, considera-se que:

  • O Mercúrio é o espírito
  • O Enxofre é a alma
  • O Sal é o corpo

Três princípios ou três matérias?


Concretamente, obtemos três matérias que se pode relacionar, simbolicamente, com os três princípios alquímicos.

Não há o que confundir, pois uma matéria corresponde a um princípio:

  • O Mercúrio é o álcool da planta
  • O Enxofre é o óleo essencial
  • O Sal é o sal salis contido nas cinzas

É importante compreender que os três princípios alquímicos ou filosóficos englobam as virtudes da planta.

Os Antigos escolheram estes três termos devido às propriedades particulares dos corpos químicos que os designam.

O mercúrio é um metal fundido à temperatura ambiente. É uma exceção entre os metais. O que reforça seu simbolismo. É também um metal que tem a particularidade de formar, facilmente, uma liga com outros metais.

Esta característica o dota da propriedade arquetípica de acordo com o que queriam atribuir os Antigos com o termo espírito.

Por esse motivo o álcool foi chamado de água da vida. O Mercúrio alquímico ou espírito representa a vida que circula pela matéria, universalmente.

Alquimicamente falando, considera-se que o Mercúrio é capaz de receber uma impressão ou uma assinatura. É o que ocorre, por exemplo, quando preparamos uma boa tintura espagírica ou outro elixir mais sutil.

A semente que confere a personalidade da planta é o óleo essencial ou a alma do vegetal. É, pois, a alma ou Enxofre que modela o Mercúrio para dar-lhe uma forma, ao ser retido pelo princípio Sal.

No reino vegetal esta impressão do Enxofre determina o gosto, o perfume e boa parte das qualidades terapêuticas de uma planta.

E, finalmente, havendo observado que todo sal mineral é ávido por umidade, os alquimistas deram ao corpo o nome de sal.

Podemos concluir que todos os vegetais possuem o mesmo Mercúrio (já que é o espírito de vida) em um corpo relativamente neutro. Sendo o Enxofre o elemento que irá distinguir um ser de outro.

As primeiras operações consistem em separar os três princípios: o princípio vida ou Mercúrio, o caráter ou Enxofre e o Corpo ou Sal.

Sabemos que uma planta, como todos os seres, é uma das numerosas manifestações do espírito universal.

Em sua viagem do céu até a terra, sofre alterações que o transformam em uma ou outra das coisas existentes (mineral, metal, vegetal ou animal). Este espírito impregna-se de impurezas.

As operações do solve abre a matéria em seus três princípios filosóficos. Ao mesmo tempo, livra-os das impurezas, conduzindo a um estado mais elevado.

Quem se dedica às práticas no laboratório alquímico sabe que a maior parte do tempo é utilizada para a preparação das matérias.

Em outro artigo, abordarei o significado da segunda metade das operações da espagiria alquímica: o coagula, que trata da reunificação dos três princípios na forma de elixires com elevadíssima capacidade energética e terapêutica. Superiores a qualquer outro preparado natural que você conheça.

Cadastre-se para ser o(a) primeiro(a) a saber quando publicarmos novos artigos e receber conteúdo exclusivo em seu email:

ALQUIMIA & ESPAGIRIA

Receba GRATUITAMENTE mais conteúdos sobre ALQUIMIA & ESPAGIRIA no seu eMail!>

3 Comentários


  1. Solve et coagula
    “Numa alusão à obra divina da criação e ao projeto de redenção nela contido, o processo alquímico foi designado por “Grande Obra”. Nesse processo, uma matéria inicial, misteriosa e caótica, chamada matéria prima, em que os opostos se encontram ainda inconciliáveis num conflito violento, deve ser transformada progressivamente num estado de libertação de harmonia perfeita, a “Pedra Filosofal” (a Lida dos Filósofos) redentora ou o lapis philosophorum: “Primeiro, combinamos, em seguida decompomos, dissolvemos o decomposto, depuramos o dividido, juntamos o purificado e solidificamo-lo. Deste modo, o homem e a mulher transformam-se num só.” Magnum opus-Wikipédia – Solve et labora

    Responder

  2. obrigado Daniel Fidélis o seu trabalho é otimo me ajudou muito parabens. sucesso saude e paz. gratidao.

    Responder

  3. Assim também é para nós acredito eu, quando renunciamos algumas crenças e padrões para acreditar em algo novo sera como se morressemos para algo antigo e nascessemos para algo novo.
    E o senhor professor nos proporciona isto… gratidão

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *