Alquimia

O Libellus de Alchimia ou Opúsculo sobre Alquimia, de Albertus

Daniél Fidélis
Escrito por Daniél Fidélis em 30/08/2016
O Libellus de Alchimia ou Opúsculo sobre Alquimia, de Albertus
Junte-se a mais de 25 mil pessoas

Faça parte do nosso Círculo Interno de Leitores e receba conteúdos exclusivos semanalmente (é grátis)

Neste artigo, iremos examinar as exigências físicas da prática da alquimia, conforme descritas por Alberto Magno em seu Libellus de Alchimia.

1. SILÊNCIO

“Quem trabalha nessa Arte deve ser silencioso e reservado.”

Isso é necessário para proteger a Arte de erros que podem se insinuar na prática, daí resultando que “o segredo se perderá e o trabalho será imperfeito”.

2. LOCAL

O operador “deve ter um local especial, escondido das vistas alheias à Arte”, onde possa realizar seu trabalho, com zelo e tranquilidade.

3. TEMPO

“Observe o tempo em que o trabalho deve ser feito.” Por exemplo: “Sublimações são de pouco valor no inverno”.

4. PERSEVERANÇA

“O trabalhador nessa Arte deve ser cuidadoso e assíduo em seus esforços… se ele começa e não persevera, perderá material e tempo.”

5. USO CORRETO

“O trabalho deve ser feito segundo o costume da Arte.” Ou seja, conforme as instruções do seu Orientador.

6. VIDRO

“Todos os recipientes em que os remédios podem ser colocados… devem ser de vidro ou vitrificados.”

7. ADVERTÊNCIA

“Evite acima de tudo associar-se a príncipes e potentados.”

Alberto adverte contra associar-se com “príncipes” porque, se não tiver sucesso, você sofrerá, e se tiver sucesso, você será contido, “apanhado por suas próprias palavras e preso por seus próprios discursos”.

Muitos confundem “príncipes e potentados” com seres espirituais. Mas, neste caso, o sentido é, realmente, literal. Alberto refere-se à nobreza.

Era bastante comum o alquimista consumir todos os seus recursos na manutenção do laboratório. Então, falido, tinha três opções para continuar.

A primeira opção era admitir novos aprendizes. Como na maioria das Corporações ou Guildas de Ofício, o novo aluno deveria pagar ao Mestre pelos ensinamentos dispensados.

A segunda opção era tornar-se monge (principalmente na Ordem dos Beneditinos). Pois, tinham acesso a uma vasta biblioteca, além de utensílios úteis à prática da alquimia.

A terceira opção (a que Alberto se refere nesta advertência) seria recorrer aos Reis, Príncipes e Nobres a fim de financiarem a sua atividade.

8. CAPITAL

“Ninguém deve começar qualquer operação sem dispor do capital necessário” para completar o trabalho, pois com o trabalho incompleto, tempo, material e tudo o mais serão desperdiçados.

Portanto, o custo do aprendizado e o custo da prática devem ser levados em consideração.

Círculo Interno de Leitores

Insira o seu endereço de e-mail abaixo para fazer parte GRATUITAMENTE do nosso Círculo Interno de Leitores e receber conteúdos especiais!>

O que achou do conteúdo?

Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 Replies to “O Libellus de Alchimia ou Opúsculo sobre Alquimia, de Albertus”

Lucas

Interessante…

Davi Eugenio de Azevedo.

Estou apreciando os artigos a mim enviados parabéns por este trabalho nobre que me tem acrescentado mais conhecimentos.

Carlos Alberto Paula Barros

Bom Dia Mestre! Importante o conhecimento sobre o Silêncio, porque além de proteger-nos e protegermos o ensinamento, temos a condição de manifestarmos as Chaves de Ouro que abrirão os Portais Sagrados da Obra. Parabéns por dividir esse maravilhoso conhecimento com todos nós!
Paz Profunda! Que o Sagrado Triângulo seja reconhecido como o Grande Portal por onde todo Alquimista precisa passar e assim realizar! A:. F:.

Lohan Vila Real

Sempre bem informativo. Obrigado!

Daniel Mori

O silêncio é muito importante, temos que ter cuidado com a nossa tagarelice mental, pois nos tira da verdadeira realidade nos impedindo de realizarmos o nosso trabalho diário. Muito interessante o artigo.

Wilson Idogawa Junior

Adorei as orientações!!
é fascinante como estas orientações se encaixam em vários aspectos de nossa vida. Se analisarmos, nossa vida é uma eterna pratica alquímica.

Obrigado por compartilhar esse conhecimento!

Fraterno Abraço

Gilmar

Boa tarde :

faz um belo trabalho muito bom Conteúdo :

Tenha um ótimo dia e receba o meu Fraterno Abraço!

tiago souza lima

boa tarde mestre
::
olha ainda estou na primeira camara de estudo, e estou aperfeiçoando para passar algumas liçoes do livro fra bato pois a cada ves qui leio tenho experoencia nova novo conceito muito bom !
pesso desculpa se talves eu estive sendo imcomodo.
::

um fraterno abraço!

Silvana Ap Fraga

O silêncio também é um aprendizado que o alquimista usa para o desenvolvimento de sua técnica.
Um Fraterno Abraço ::

German

OPUS MAGNUM-SEPARAÇÃO
Resume as exigências físicas durante as “Mortificationem”. Sem coagular a solução, calcinar por aceleração do fogo úmido até obter a Prima Matéria retificada, fixando quando desfleugmar. Esta é a “Separatio”, do denso ao útil.
“Nada pode repousar em si mesmo, a menos que retorne para o lugar de onde saiu…”
(Jacob Boehme: “Misterium Magnum”, Resumo final)

Lilian Regina Buso Fernandes

Obrigada pelas boas orientações. Sempre mt bem vindas em toda prática na vida!

Andrea om clayton

Muito bom o artigo.

Gleiton Silva::

Perfeito, presado Irmão e amigo, obrigado
pelo alerta: ser discreto, avaliar os recursos
e se organizar.
::
O silêncio é a respiração da alma.
A sabedoria é a voz do coração.
Rhenan Carvalho.
::
Um fraterno abraço.

Círculo Interno de Leitores

Junte-se a mais de 25.000 pessoas (gratuitamente) e passe a receber conteúdos exclusivos em seu email, semanalmente