Alquimia

Introdução aos 4 Pilares da Medicina Hermética de Paracelso

Daniél Fidélis
Escrito por Daniél Fidélis em 27/09/2019
4 min de leitura
Introdução aos 4 Pilares da Medicina Hermética de Paracelso
Junte-se a mais de 25 mil pessoas

Faça parte do nosso Círculo Interno de Leitores e receba conteúdos exclusivos semanalmente (é grátis)

A medicina hermética de Paracelso está apoiada em quatro pilares fundamentais.

Neste artigo, apresentaremos cada um deles e faremos uma exposição essencial do assunto.

Como apoio desta explanação, utilizaremos uma obra que consideramos obrigatória na biblioteca de todo alquimista: o Liber Paragranum, de Paracelso.

Os Quatro Pilares da Medicina Hermética

Paracelso apregoa que o entendimento e a prática da medicina hermética estejam apoiados nos seguintes princípios:

  1. Filosofia;
  2. Astronomia;
  3. Alquimia;
  4. Virtude.

Segundo o nosso Mestre Espagirista, todo alquimista, todo “curador”, deve estar imbuído desta quádrupla experiência.

Abaixo, uma pequena exposição sobre cada um dos quatro pilares.

1. Filosofia

A filosofia começa por um saber elementar que parte do que está aqui embaixo, dos Elementos e que não se apoia em figuras místicas ou especulações. Mas, em experiências concretas.

Deve haver uma percepção clara entre o homem e o macrocosmo.

Em seu Paragranum, Paracelso expõe uma Filosofia que afirma: somente a Natureza sabe o que é a enfermidade.

Somente ela conhece as deficiências do enfermo. Só ela pode curar. Ninguém pode ser um operador da cura sem esse conhecimento.

O alquimista, assim como o médico, deve conhecer os processos mais sutis e internos da Natureza e operar em conformidade.

Aqui reside a verdade total, perfeita e consoladora. Da Natureza emana a saúde, todo o trabalho, qualquer teoria, todo bom ensinamento.

Já que o médico deve partir da Natureza, que diferença pode haver entre Natureza e Filosofia? O que é a Filosofia, senão Natureza invisível?

Aquele que conhece com os olhos fechados o Sol e a Lua, aquele que sabe como são, possui dentro de si o Sol e a Lua, tal como se encontram no céu.

Eis aqui a filosofia, que se encontra no interior do homem tal como se encontra fora, mas de maneira imperceptível.

O médico deve penetrar o homem como uma gota orvalho destilado. Deve penetrar de igual maneira como no fundo de um manancial que se possam contar as pedras e grãos de areia, apreciar suas cores e suas formas. Da mesma forma deverá enxergar os membros corpóreos do homem.

Paracelso

Sobre esta filosofia repousam os fundamentos da Medicina de Paracelso.

Não só deve olhar para o homem, senão também para a Natureza e o que esconde o Céu. Pois, o homem é um composto.

Segundo a medicina hermética de Paracelso, o filósofo não tem que indagar nada no céu nem na Terra que não se encontra igualmente no homem.

O médico não deve buscar no homem além daquilo que contém o Céu e a Terra.

Esta é a chave filosófica de sua medicina.

2. Astronomia

Como todo médico deve conhecer a composição do homem em sua totalidade, deve entender que a astronomia, como segunda base da Medicina Hermética e residência superior da filosofia, permite o conhecimento total do homem.

Na Quarta Câmara de estudos da Irmandade Hermética da Sagrada Arte, IHSA, este pilar é tratado de maneira muito lúcida e prática.

A compreensão e o conhecimento dos corpos da esfera superior por uma parte, e do mesmo cosmos inferior por outra, se correspondem: trata-se de um mesmo firmamento, de um só astro, de uma natureza e essência únicas.

A filosofia compreendia dois domínios: a Terra e a Água. A segunda base, a astronomia, também abrange dois domínios: o Ar e o Fogo do homem.

O que Paracelso diz sobre a filosofia também se aplica à astronomia. Há, tanto no interior quanto no exterior do homem um Céu e um Ar.

A via láctea também reside em nós. Possuímos os dois Polos, o zodíaco, plenamente e sem nenhuma modificação. Ou seja, o homem possui o universo inteiro de si, assim como uma erva possui sua expressão corpórea e terrestre.

Segundo Paracelso, o pai do homem é o Céu e o Ar.

As enfermidades, consequentemente, não procedem do homem. Da mesma forma, o verme da madeira não procede da madeira, mas está na madeira.

Procedem da constelação que lhe é própria.

Devemos saber, em primeiro lugar, que o Ar e o Fogo não são corpos ou fenômenos palpáveis. O profano ou neófito da alquimia tende a confundir o Ar com o ar e o Fogo com o fogo. Mas, ao mesmo tempo, são perceptíveis e visíveis.

O Céu atua sobre o corpo interior do homem, como atua sobre os elementos.

Paracelso nos dá o exemplo do sol: não podemos evitar as emanações solares, mas podemos buscar a sombra de um abrigo. Não eliminamos a propagação do sol, apenas criamos um obstáculo para evitar que nos atinge.

É neste sentido, segundo o Mestre, que aprenderemos a combater as enfermidades do firmamento.

Todo o conhecimento é astral. O astral é a arte que nasce da sabedoria celeste. O médico deve ser astral: assim se converte em um bom estudante e sabe discernir o Céu no homem.

O homem deverá instruir-se em todas as criaturas com o fim de conhecer a si mesmo.

Paracelso

Tudo o que está submetido à ação do tempo, submete-se ao Céu. É fundamental que se conheça as revoluções celestes, as modificações astrais a alternância dos ascendentes, os deslocamentos dos astros e as conjunções.

Interessante ler isso em Paracelso e verificar que até o século XVII ou XVIII, a astrologia era cadeira obrigatória nas faculdades de medicina. Mas, não essa astrologia profana que vemos hoje.

3. Alquimia

Ocupemo-nos, agora, da terceira base da medicina hermética, a Alquimia.

O médico deve ter um conhecimento e uma experiência tão profunda e tão grande que, se não a possui, todo o resto da arte é vã.

Porque a natureza é tão sutil e tão minuciosa neste domínio, que só pode ser posta em benefício à custa de uma grande Arte.

Ela não se dedica a algo que esteja terminado. Cabe ao homem realizar este trabalho, que tem um nome: Alquimia.

O alquimista é o padeiro que coze, o vinhateiro que esmaga, o tecelão no seu ofício. Em toda a coisa natural que crê para a utilidade do homem, o alquimista permite alcançar o ponto que a natureza lhe assinou.

Compete, pois, ao médico que quer instruir-se, saber o que é a calcinação e a sublimação, não somente as operações superficiais, mas as que modificam interiormente as coisas e que, muito mais importante, permitem a preparação e o amadurecimento que a natureza muitas vezes não lhes deu.

O médico deve possuir a arte de fazer amadurecer as coisas, porque ele é o Outono, o Inverno, é o astro que deve agir sobre as coisas para as terminar. O fogo é a terra, o homem é a ordem, as coisas na obra alquímica são a semente.

Segundo Paracelso, para que o remédio seja efetivo, a própria Natureza indica a via em que devemos depositar nossos esforços.

Devemos maturar, assim como o sol matura a uva, para obter uma ação favorável. A Medicina tem que produzir seus frutos como o verão.

A preparação do remédio também deve submeter-se aos astros, que aperfeiçoam a obra médica.

Deve-se respeitar a dose e a natureza do medicamento.

Portanto, deve preparar o medicamento para que atue por mediação do Céu e deve proceder do Céu, como uma profecia ou qualquer outra manifestação celeste.

Paracelso

Outro ponto importante que Paracelso solicita a nossa atenção, enquanto alquimistas, é considerar que a força dos brotos difere à das folhas, flores, frutos e raízes da mesma espécie de planta.

Em nossa Oficina de Alquimia Espagírica ensinamos qual Elemento rege cada uma destas partes dos vegetais e como trabalhá-las.

Paracelso também fala, embora não dê detalhes, que cada cor das flores têm uma utilidade terapêutica. Cada uma possui a sua virtude.

Particularmente, estou convencido, por uma experiência “espontânea” que ele não se referiu, apenas, à cor exterior. Mas, da aura das plantas.

Paracelso avança bastante, em seus inspirados e até poéticos comentários, neste pilar da medicina, a alquimia.

4. Virtude

Paracelso é extremamente duro e combativo com os médicos e escolas que ignoram os antigos preceitos alquímicos.

Segundo ele, o médico não é aquele que atua em seu próprio proveito, senão quem trabalha unicamente para os demais.

Semelhantemente a uma ovelha, que não porta a sua lã apenas para o seu próprio proveito, também o médico deverá assemelhar-se à ovelha e realizar seu serviço, não a si mesmo senão aos demais.

Paracelso não está apregoando que o médico deva trabalhar gratuitamente. Pois, ele também tem suas necessidades e compromisso consigo mesmo e sua família. Ele está falando do sentimento que deve transbordar no coração.

Paracelso continua sua explanação trazendo questões morais e a ligação que deve haver entre o médico e o plano divino, destacando a importância de se nutrir uma fé inabalável em Deus.

Isto para que médico seja, pois, completo e para que repouse em um fundamento perfeito.

Paracelso finaliza o quarto pilar de sua medicina hermética falando da postura dos enfermos:

Certamente, os enfermos podem colocar tudo a perder e atrapalhar a obra do médico. O enfermo importa muito no processo de cura e toda a ciência do médico depende dele. É, pois, indispensável que o enfermo esteja apto para receber o tratamento. Caso contrário, nada se resolverá.

Paracelso

Nada pode julgar, sondar nem provar a maneira como Deus distribui tudo entre os homens e na Natureza. Grandeza divina que o homem ignora.

O médico deve ocupar o seu lugar na ciência do Céu, da Água, do Ar e da Terra, e a partir daí, do microcosmo; e esperar, em todo momento, a graça e a misericórdia divina.

Aquele que deseja aprender a Antiga Arte dos Sábios e se tornar um Alquimista, deve manifestar as únicas coisas que realmente nos colocam em contato com a Sabedoria Divina: uma vontade inabalável e um coração humilde.

Daniél Fidélis

O que achou do conteúdo?

Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

29 Replies to “Introdução aos 4 Pilares da Medicina Hermética de Paracelso”

Fátima

Muito bom, esse tema Alquimia me fascina, sou terapeuta floral e o floral que trabalho usa esse princípio e ensinamento da alquimia é fantástico. Gratidão por nós trazer leituras e pensamentos tão maravilhosos. 🙏🏼

Daniél Fidélis

Seja bem vinda, Fátima!

Naiker Dalmaso

É sempre adorável a leitura dos conteúdos do Senhor, são inspiradores e transformadores.

Por alguns meses ando contente com o conteúdo que venho obtendo dos e-mails que recebo através do site, confesso que gostaria de comprar todos os produtos oferecidos mas não posso neste momento.
Bom, Sou grato pelos ensinamentos e assim que tiver arrecadado uma cota suficiente para começar o obter o mínimo de vidraria necessária para iniciar as operações e mais a cota da matricula não hesitarei em me inscrever na irmandade. Enquanto isso vou obtendo as informações através do site, videos e livros também aconselhados pelo Senhor Daniél Fidélis.

Mais uma vez meus sinceros agradecimentos por todo conteúdo transmitido.
Muito obrigado,

Naiker Dalmaso.

Daniél Fidélis

Seja bem vindo, Naiker! Tudo no seu próprio tempo…

Harmattan

excelente

Shirlei Tatsukawa

Daniel, quando se fala dd Astronomia, também sub entende a astrologia, correto?

Daniél Fidélis

Exatamente, Shirlei. Mantive o termo “Astronomia” para me manter fiel ao texto original de Paracelso.

Carlos Arthur M. R. do Nascimento.

Caro Daniel Fidélis,

Ótimo texto com vastas informações preciosas, as quais nos envolve neste mundo Hermético!

Gratidão por sua disponibilidade!

Cordialmente,

Carlos Arthur M. R. do Nascimento.

Daniél Fidélis

Grato por acompanhar as publicações, Carlos Arthur.

Rostenio Rodrigues de Oliveira

O homem precisa da natureza para viver, respeito a natureza se faz. Nescessário, a natureza e os animais são nossos irmãos menores, quando o homem tiver gratidão pela natureza, e desenvolver humanidade pela ela, só assim, teremos um mundo justo. E a paz reinará.

Lacaille Júnior

Que texto!

Obrigado por compartilhar conosco.
Veio em boa hora, como sempre!

Fraterno abraço!

Maria lima

Muito bom.

Vera Lúcia Rangel

Maravilhoso conhecimento

Jefferson Narciso

Gratidão eterna , por receber este conhecimento, espero fazer parte dessa irmandade de luz em breve.
Um grande abraço

Aniruaz Claudia de Souza

Cada um desses artigos que leio me trás grandes surpresas esclarecendo dúvidas e respondendo perguntas que nunca encontrei respostas em outras fontes. Sei trabalho é muito esclarecedor para mim. Abre minha mente de forma que possibilidades antes inexistentes para mim.
Gratidão pela oportunidade

Nasilda

Muito interessante e aguça a vontade (já antiga) que tenho de saber mais. Muito grata

Pedro A. do Canto Borges.

Excelente conteúdo. Aprendizado constante.

rodrigo

Maravilhoso estou encantado quero ser um alquimista de primeira

Gilson Eloi

Simplesmente notável! Uma instrução fantástica para o início dos estudos nas artes herméticas.

Robiney

divino,excelente!!!!

Beatriz

Conteúdo relevante. Gratidão pelo conteúdo objetivo e holístico.

Maria Aparecida

Adorei todo os seus ensinamentos. Sou fascinada pela alquimia, mas ainda não tinha visto nada tão sério, com vi neste maravilhoso canal. Espero de todo meu coração poder continuar tendo acesso a tão grande é maravilhoso ensinamento.

Edson

Excelente, Daniel. Cada texto seu nos traz conhecimento e a alegria de nos tornar melhor a cada dia. Gratidão.

Marcio

Muito esclarecedor, muito importante a participação do enfermo no querer e desejar a cura, no processo do uso de medicamentos para aliviar sua dor, e ou seu sofrimento material/espiritual.

Carla

Conteúdo incrível. Estou muito empenhada na busca d conhecimento e este canal tem sido muito importante p mim.

Zélia Melo

Muito bom esse conteúdo,para ir entendendo os ensinamentos de Paracelso.

Maria padilha

Fantástico, gratidão!!Daniel por compartilhar este conhecimento.

Bruna

Tudo muito belo!!! Gratidão!!!

Noemi Rocca

Adoro seus textos, me fazem perceber coisas não antes pensadas. Me fazem perceber que estou no caminho certo! Gratidão, namastê!