Diferença entre Magia e Teurgia

É a primeira vez que escrevo sobre magia e teurgia aqui no blog.

Pois, são assuntos (na minha opinião) que devem ser abordados apenas em círculos fechados (mas não inacessíveis) onde o operador tenha passado por uma preparação (teórica e prática).

Além disso, aflora a agressividade daqueles que estudam e/ou praticam alguma forma de magia.

Como existem muitos sistemas, muitas vertentes, algumas pessoas acabam polarizando, demasiadamente, os diversos pontos de vista.

A Magia e a Teurgia é um dos temas de estudo das Câmaras mais internas da nossa I::H::S::A::

O presente texto está em concordância com eles.

MAGIA E TEURGIA

A magia popular, em sua forma cerimonial, descende de práticas de teurgia mal compreendidas. Sua progressiva deformação resulta de sua mesclagem com práticas supersticiosas e folclóricas da bruxaria dos campos.

Devemos esta confusão, também, aos teólogos cristãos como Santo Agostinho, que rebaixou a teurgia no âmbito da baixa magia. Já que por um lado, não compreendeu seu sentido e, por outro, a autonomia espiritual provocada pela prática teúrgica havia prejudicado a autoridade do catolicismo.

Segundo os grandes princípios do ocultismo tradicional a magia tende ao manejo das forças naturais com fins de satisfação pessoal.

Então, o Teúrgo faz o inverso. Porque o benefício dos ritos retorna à divindade, como uma assunção pela qual a energia encontra lugar na vida do operador.

A consequência deste processo é um suposto benefício também para o Homem, em termos de sabedoria e conhecimento.

O teúrgo contempla as formas de Deus. O mago produz imagens e tenta submeter “os deuses” à sua vontade. A aproximação é radicalmente diferente e é, principalmente, esta determinação que diferencia a magia da teurgia.

A diferença fundamental entre a magia e a teurgia, é que o mago permanece como um homem carnal que exerce uma ação sobre as esferas celestes com a intenção de submetê-las aos seus desejos.

O teurgo, reclama um impulso do divino em sua direção para reencontrar a memória luminosa enterrada em suas próprias trevas.

O teúrgo não pede nada para sua condição terrena já que busca transcendê-la.

O FRUTO DO TRABALHO E NÃO UMA RECOMPENSA

No hermetismo, o trabalho não consiste em portar-se bem para ganhar o céu. É um trabalho de redescobrimento da memória que se encontra no seu interior.

Com a ajuda de Deus e dos Ritos (e também da alquimia que administra a parte biológica do processo), esta memória retorna, e o homem contempla sua verdadeira Natureza por uma habituação da visão do divino.

O trabalho teúrgico aumenta a noção de ética, e não o de uma vontade autoritária que procura impor-se pela força e pela coação.

Entra-se em contato com energias celestes catalogadas em uma cartografia particular (é o rol da Astrologia antiga o de fazer tais itinerários). Estas energias divinas ajudam em nossa evolução espiritual.

Por hora, é o que tenho para compartilhar com você. Trata-se, apenas, de um ponta pé inicial com o objetivo de estimular maior aprofundamento no tema.

Voltarei ao assunto…

Cadastre seu email, abaixo, para ser notificado(a) quando houver uma nova publicação:

ESOTERISMO, MISTICISMO E OCULTISMO

Junte-se a milhares de sinceros buscadores e receba, GRATUITAMENTE, notificações, artigos e dicas imperdíveis para a sua Jornada!>

6 Comentários


  1. Esta frase “O teúrgo não pede nada para sua condição terrena já que busca transcendê-la.” é simplesmente fantástica. E o verbo “transcender” parece ser o ponto de partida para algo muito profundo… o que viria a partir daí!? Expansão da consciência dominando a matéria para explorar o extra-físico que é nossa origem?

    Grande abraço e parabéns pelo belo trabalho!

    Responder

    1. Olá, Almir. Obrigado por prestigiar o blog. A transcendência ocorre paralelamente à expansão da consciência. No início do processo, a primeira é a consequência da segunda. Pois, tudo inicia no pensamento e na consciência. A partir daí, a sutilização avança para níveis cada vez mais elevados…

      Responder

  2. Obrigado pelo texto, Daniel.

    Como sempre muito claro e preciso em seus termos e de muita ajuda. Muitos autores e estudiosos complicam demais as coisas, e o que precisamos no mais das vezes é dessa objetividade, anda mais no mundo de hoje.

    Abs!

    Responder

    1. Obrigado pela opinião, Thiago! De fato, simplicidade é o que tentamos incutir no trabalho.

      Responder

  3. Toda ação corresponde a uma reação de igual intensidade vibrante em sentido diverso.
    Palavras estão definidas em incontáveis condições.
    Ainda é bom lembrar da ‘magia’ do som …

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *